Hot News MD
sexta-feira, 14 de setembro de 2012

SPCD estreia obra de William Forsythe na Temporada de Dança do Teatro Alfa

A São Paulo Companhia de Dança (SPCD), mantida pelo Governo do Estado de São Paulo, apresenta de 13 a 16 de setembro três obras na Temporada de Dança do Teatro Alfa.  O destaque do repertório fica por conta da  estreia de In The Middle, Somewhat Elevated, do coreógrafo americano William Forsythe, um dos maiores nomes da dança mundial.  Completando a programação também  serão apresentadas as obras Bachiana nº1, de Rodrigo Pederneiras, que estreou no primeiro semestre deste ano, e  Sechs Tänze, de Jirí  Kylián, presente no repertório da SPCD desde 2010. Os ingressos variam de R$ 40 a R$ 70 (inteira) e R$ 20 a R$ 35 (meia-entrada). Além das apresentações, a SPCD leva para o teatro seu Espetáculo Aberto para Estudantes, atividade gratuita que faz parte dos Programas Educativos e de Formação de Plateia da São Paulo Companhia de Dança. A apresentação para os estudantes acontecerá na sexta-feira (14), às 15h, com um repertório diferente: além de Bachiana nº 1 e Sechs Tänze, será apresentado um ensaio aberto de O Grand Pas de Deux  de O Quebra Nozes, de Marius Petipa e Lev Ivanov, com remontagem de Tatiana Leskova.

Inscrições e informações no e-mail: educativo@spcd.com.br.

Sigam o Mundo da Dança no Twitter: @mundo_danca

SOBRE AS OBRAS:

IN THE MIDDLE, SOMEWHAT ELEVATED (1987) ESTREIA
Coreografia, cenografia, figurino e iluminação: William Forsythe
Música: Thom Willems
Remontagem:Agnès Noltenius
Encomendada por Rudolf Nureyev em 1987 para o Ballet Ópera de Paris, In the Midlle, Somewhat levated (No Meio, Um Pouco Acima)  é uma peça de William Forsythe baseada na percepção da velocidade – rapidez e lentidão. O coreógrafo se vale da linguagem da dança clássica para “escrever histórias de hoje”.  In The Middle utiliza a forma tradicional de composição de um tema e suas variações, ou seja, Forsythe cria uma frase que se desenvolve, evolui e se transforma no corpo de cada bailarino. Uma bailarina dança o tema de abertura e aciona progressivamente um número crescente de outros intérpretes até que o conjunto se complete com nove pessoas: seis mulheres e três homens. A música de Thom Willems apresenta acelerações e ralentamentos que dialogam com a coreografia; tanto os bailarinos quanto os espectadores são pegos de surpresa por turbulências que a peça apresenta em diferentes momentos.Para o cenário, o coreógrafo  havia pensado em vários objetos cotidianos dourados, pendurados por fios invisíveis. Dessa ideia inicial, optou pela síntese, traduzida por duas cerejas, que ganharam um significado simbólico: dois 
pequenos espelhos que refletem a sala de espetáculos. O título da obra se refere a essas duas cerejas no meio, um pouco elevadas, na cena.

BACHIANA Nº1 (2012)
Coreografia: Rodrigo Pederneiras
Música: Bachianas Brasileiras nº1, de Heitor Villa-Lobos
Iluminação: Gabriel Pederneiras
Figurino: Maria Luiza Malheiros Magalhães
Assistente de coreografia: Ana Paula Cançado
Inspirado pela  Bachianas Brasileiras nº 1, de Heitor Villa-Lobos, Rodrigo Pederneiras criou para a São Paulo Companhia de Dança a obra Bachiana Nº 1, peça em que a dança responde à estrutura íntima da música. A coreografia, dividida em três movimentos, evidencia a brasilidade, o romantismo e a paixão do nosso povo. Para o coreógrafo, “é um balé abstrato e apaixonado. Os violoncelos que se sucedem a cada parte da música já traduzem o gesto em si”, e dessa afinação entre som e movimento surge a obra, que ganha acentos particulares  no corpo de cada intérprete. Em  Bachiana Nº 1, pode-se reconhecer a linguagem característica desse grande coreógrafo da dança brasileira, bem como as nuances de uma criação específica para bailarinos de uma companhia de repertório, em que a versatilidade dos intérpretes traz novas 
ênfases à linguagem de Pederneiras.

SECHS TÄNZE (1986)
Concepção, coreografia, cenografia e figurinos: Jirí Kylián
Música: Sechs Deustsche Tänze KV 571, de Wolfgang Amadeus Mozart
Remontador: Patrick Delcroix
Desenho de luz: Joop Caboort
Adaptação técnica: Erick van Houten
Execução de figurinos e cenário para a SPCD: Fábio Brando | FCR 
Produções Artísticas
Sechs Tänze, de Jirí Kylián é um trabalho que une dança e humor. O coreógrafo compôs seis peças aparentemente sem sentido que dialogam para protestar e fazer uma crítica aos valores vigentes à época em que as Sechs Deustsche Tänze KV 571, de Mozart, foram compostas. Nas palavras de Kylián: “A música de Mozart foi o principal elemento para a criação de Sechs Tänze. Ele deveria ser engraçado, porque entendia e sabia fazer humor. A música é muito importante em um balé, qualquer que seja ele. E nessa montagem ela é mais rápida do que a dança. Para dançar Sechs Tänze é preciso ser veloz e colocar uma máscara. É como ser e não ser você em determinados momentos. É como ser manipulado hoje, amanhã, ontem. Fingir querer ser. Ou não.” A SPCD é a primeira companhia no Brasil a dançar uma obra de Kylián.

Fonte: São Paulo Companhia de Dança
author

Sobre o Autor:

Roger Dance é dançarino, coreógrafo e blogueiro. Estudioso dessa arte pretende dividir seu conhecimento, pesquisas e informações com todos os amantes da Dança. Saiba mais sobre o Autor. Siga no Twitter: @mundo_danca

Assine e receba nossos posts em seu e-mail!

E-book Dança Gospel - Mundo da Dança está lançando seu primeiro E-book - Dança Gospel - COMPRE SEU EXEMPLAR AQUI ** Tudo o que precisa saber para Dançar, Louvar e Evangelizar !!! **Leia a matéria de lançamento: Clique aqui.
Faça uma Doação ao Mundo da Dança - Saiba como e ainda ganhe um Brinde!
Item Reviewed: SPCD estreia obra de William Forsythe na Temporada de Dança do Teatro Alfa Rating: 5 Reviewed By: Roger Dance