Hot News MD
domingo, 25 de novembro de 2012

Dança Clássica Persa - Sua História


O Mundo da Dança trás até vocês mais um pouco da cultura mundial falando sobre a dança persa. Antes de começar a contar um pouco sobre a dança persa, devo esclarecer que os persas não são árabes, são persas. São povos distintos e quem quiser saber a diferença sugiro a leitura da matéria na Super Interessante: Qual a diferença entre árabe, curdo, turco, persa, sunita e xiita?  Mas voltando ao assunto encontrei um texto bastante explicativo escrito por Jasmin Jahal e traduzido por mim Roger Dance.

Sigam o Mundo da Dança no Twitter: @mundo_danca

Dança Clássica Persa


Para aqueles como nós que estudam a dança do ventre moderna, é interessante investigar as contribuições de diferentes áreas do Oriente Médio. Sempre que eu tenho visto uma boa dança persa, eu sempre quero saber sobre a história que vem por trás dela e de como seu estilo de performance e figurino foram desenvolvidos. Claramente, é bastante diferente da dança do ventre padrão. A beleza e feminilidade da dança persa não é muitas vezes um tema em seminários de dança. Na verdade, encontrar qualquer desempenho de dança persa é raro.

A pesquisa mostra que a dança da Pérsia está enraizada em um lugar muito pequeno, a província de Fars, no sudoeste do Irã moderno. No seu tempo, o Império Persa era vasto e governou sobre numerosas nações, do Egito à Índia. Foi considerado o primeiro império do mundo religiosamente tolerado. Ele consistia de uma multiplicidade de diferentes línguas, raças, religiões e culturas. Pode-se ver dançarinos profissionais representados em obras de arte que remonta a 2500 aC


As origens são encontradas nas danças folclóricas antigas. Em 478 aC, uma dança persa antiga foi registrada pelo historiador grego Heródoto. Ele descreve como a Pérsia tinha intercâmbio cultural amplo com o mundo antigo, especialmente com o Egito e a Grécia. Artistas da Grécia foram trazidos para tocar na corte do imperador, e dançarinos persas se apresentavam na Grécia. As dinastias sempre apoiaram e incentivaram o avanço das formas de arte. A dança era uma parte importante do culto religioso para a primeira dinastia reinante, Achaemenians. A religião foi chamada mitraísmo, em torno do sol e deus luz, Mitra. Mesmo o próprio rei participou das danças. Elas eram apresentadas para cerimônias, rituais e ocasiões de entretenimento. A dança foi bem desenvolvida e protegida durante dinastias seguintes. Foram incluídos danças de fogo, espadas e até mesmo cavalos (dançando enquanto andava a cavalo).

Infelizmente, esta época não durou muito. Chegou séculos de instabilidade política, guerra civil e ocupação de países estrangeiros, primeiro os árabes e os mongóis. A identidade política e cultural persa sofreu muito e as danças tradicionais persas praticamente desapareceu. As mulheres iranianas foram escravizados e vendidos em bazares pelos novos conquistadores e forçadas a executarem danças eróticas. Devido a essa desonra, ninguém queria ver a mulher dançando na presença de um estranho. É por isso que a atitude dos muçulmanos iranianos em direção a dança tem sido de natureza mais conservadora em relação a outros países muçulmanos.

O Islam suprimia a dança e proibiam qualquer registro dele. A única forma original de dança persa que sobreviveu é a dança folclórica em vários grupos focais, como iraniano-americanos, os judeus e os nômades. Estas danças são um mosaico colorido de figurinos, música e movimento, acompanhado pelo barulho de jóias, a batida de pés batendo, ou o choque de vara e varapaus. Comum a todos eles são danças dos homens que incorporam movimentos de artes marciais, girando e girando que refletir a prática dos séculos ao longo das várias místicas ordens sufis encontrados em todo o Irã.


Os sufis realizam as danças em 1200A.D. Primeiramente, foi dançado por homens religiosos. Três grandes poetas exaltaram a dança em seus poemas e é usado como um símbolo do poder da vida: Hafiz, Saddi e Mevlana. Sufismo diz que a dança é um instrumento espiritual para se tornar um com Deus, que é o objetivo final da fé. Jalal ud-Din Rumi, conhecido como Mevlana, foi o preferido dos mestres sufis espirituais e considerado um gênio poético. Ele fez dançar um elemento central na doutrina Sufi. O ritual, forte em êxtase com a música e dança é chamada Sema e é praticado até hoje.

Uma era importante que influenciou a dança persa foi a dinastia que reinou Qadjar 1795-1925. É neste período que a dança começou a ser chamada de "dança clássica persa". Dançarinos apresentavam danças artísticas no corte do Xá para fins de entretenimento, como coroações, festas de casamento e festas de Norouz (Ano Novo iraniano). As tradições de dança antigas foram redescobertas entre as mulheres. A ascensão das Qadjars liberaliza atitudes das pessoas em relação a dança, embora tenha permanecido na corte real e entre as famílias de elite e burguês. As dançarinas do tribunal tinham elevado o respeito da dança para uma forma de arte.

O figurino geralmente consistia de fum vestido longo, com mangas compridas, usadas com uma jaqueta por cima. O casaco estendido ao longo dos lados dos quadris era usado de forma aberta ou fechada. Pinturas a óleo do século XIX revelam que os dançarinos Qadjar usavam calça sob o vestido. A calça puramente persas é cortada estreita, algemada e solta na parte inferior. Às vezes, um harém turco a calça é usada, extremamente completa e apertada nos tornozelos. Os tecidos eram de cor brilhante e florido. O Xá recompensava artistas com jóias, os trajes muita vezes tinham bordados de ouro elaborados com pérola beading e pedras preciosas. Sobre a cabeça foi usada uma garça, um chapéu em forma de paisley pequena adornada com jóias, pérolas e uma pena. O cabelo era usado longo e elaborado, com fechos laterais e franjas modelados em formas.

Há um estilo distinto de dança persa, incluindo adoráveis ​​mãos expressivas, olhos e rosto. Os movimentos da anca são pequenos e discretos, assim como os movimentos da parte superior do tronco. Os passos são leves e podem incluir padrões intrincados. Bailarinos podem realizar com um véu, e eles frequentemente usam snujs para acompanhar a música.

Tradicionalmente, a música não é orquestrada e é tocada por um pequeno grupo com um ou dois instrumentos melódicos e um tambor. É difícil para dançar porque a música não contém os quatro comuns bar arranjos e não é o mesmo para cada frase. Para complicar, a melodia é geralmente improvisada. Um bom dançarino persa deve ser hábil em variedade de passos, metros e combinações. Ela deve confiar em sua experiência e intuição. Seu carisma é aparente na interação com o público.

No século XX, o movimento de dança e figurino ganhou uma orientação modernista para o Ocidente. Em 1928, o balé veio para o Irã e afetou o desempenho da dança, acrescentando uma sensação de leveza e pés mais delicados. A jaqueta foi queimada mais plenamente nos quadris muito parecido com um tutu.

Atualmente no Irã, espetáculos públicos não são freqüentes e na maioria das vezes realizada em pequenos concertos só para mulheres. Como a maioria das formas de dança do Oriente Médio, dança persa está evoluindo em outros países que não o país de suas origens. Muitos jovens no Irã estão aprendendo sobre dança persa em segredo a partir de fitas de dança criadas pelo iraniano-americanos e contrabandeados para o Irã. 

A riqueza da dança persa precisa ser visto, apreciado e compartilhada com o mundo, de modo que sua arte pode ser verdadeiramente apreciado.


Texto de Jasmin Jahal, tradução Roger Dance
author

Sobre o Autor:

Roger Dance é dançarino, coreógrafo e blogueiro. Estudioso dessa arte pretende dividir seu conhecimento, pesquisas e informações com todos os amantes da Dança. Saiba mais sobre o Autor. Siga no Twitter: @mundo_danca

Assine e receba nossos posts em seu e-mail!

E-book Dança Gospel - Mundo da Dança está lançando seu primeiro E-book - Dança Gospel - COMPRE SEU EXEMPLAR AQUI ** Tudo o que precisa saber para Dançar, Louvar e Evangelizar !!! **Leia a matéria de lançamento: Clique aqui.
Faça uma Doação ao Mundo da Dança - Saiba como e ainda ganhe um Brinde!
Item Reviewed: Dança Clássica Persa - Sua História Rating: 5 Reviewed By: Roger Dance