Dançar melhora a qualidade de vida dos idosos


Para a terceira idade a dança pode aperfeiçoar de forma descontraída o condicionamento físico e a saúde mental

Para ter um envelhecimento saudável é necessário praticar exercícios físicos regularmente. No entanto, movimentar-se nem sempre é atrativo para quem está na terceira idade. A maioria dos idosos convivem com problemas crônicos de saúde como desgastes ósseos, dores de coluna e nas articulações, o que dificulta o interesse devido as chances de colisão. Nestes casos adança é uma ótima opção, seus movimentos são debaixo impacto e mais leves do que outras atividades.


Mundo da Dança nas Redes - Facebook | Twitter | Instagram | Youtube


"O professor deve ensinar artimanhas para que os alunos possam fazer os movimentos. Eu pego os passos principais daquele ritmo e estudo uma forma confortável que eles possam executar, para não dar atrito no joelho", diz Cristina Feitosa professora de dança da Universidade Aberta e da Terceira Idade (UATI) da UNG Universidade. Ao recomendar a prática da atividade, a professora explica que deve haver cuidados na formação da coreografia conforme as limitações e os problemas desaúde apresentados pela turma.

A modalidade já é ofertada ao público idoso por muitos clubes e academias. A música envolve os alunos e os socializa, possibilitando que apreciem da companhia deoutros dançarinos e formem laços. Aspecto importante para os que estão nesta idade, porque muitos são aposentados e nem sempre têm a família presente, passam a maior parte do tempo sozinhos.

Mas este não é o único benefício da dança. Ela ajuda o funcionamento cerebral, os alunos devem memorizar e acompanhar as sequências dos passos, estimulando o aumento das conexões neurais, proporcionando o raciocínio e a concentração. Tudo isso de forma descontraída, sem que a pessoa se sinta pressionada acumprir a tarefa. Trabalha também o lado cognitivo ao forçar o controle motor a responder diferentes comandos ao mesmo tempo. Enquanto o pé esquerdo vai para uma direção o braço contrário vai para outra, proporcionando que o idoso faça movimentos que não estão presentes no seu cotidiano. Treinos como este permite que o corpo e a mente trabalhem melhor em conjunto.

Além disso, nesta idade é comum o aumento do peso devido à queda dos níveis hormonais, e a dança ajuda amanter o ponteiro da balança no lugar. Por tratar-se deuma atividade aeróbica, ela queima muitas calorias e previne problemas como pressão alta, doenças cardíacas e diabetes. Em casos menos graves é possível com aprática regular diminuir a dependência de remédios relacionados a essas doenças, porém essa avaliação cabe apenas ao médico. Não se deve cortar nenhum medicamento sem a autorização do especialista que acompanha o tratamento.

Todo treino de dança deve incluir exercícios dealongamento antes da prática, o que ajuda o idoso aaumentar a flexibilidade e reduzir dores musculares causadas por atrofiamento. A modalidade fortalece aarticulação do corpo e aumenta a amplitude dosmovimentos. Consequentemente, melhora a velocidade das ações, o equilíbrio e a resistência do corpo, evitando quedas que são comumente ocorridas nesta faixa etária. Diante de tantos pontos positivos, não há desculpas para não se mexer e alcançar a longevidade que todos desejam.

A Universidade Aberta e da Terceira Idade (UATI) da UNG Universidade oferece o serviço de aulas de dança para idosos, às 14h de quintas-feiras. As matrículas devem ser feitas até o dia 10 de março, na unidade Centro deGuarulhos, localizada na Praça Tereza Cristina, 88. No período de seis meses, os alunos não aprendem apenas a dançar como também o conteúdo teórico sobre aorigem dos ritmos. Para mais informações envie um e-mail para karina.sakai@ung.br ou ligue para 2464-1720.




Compartilhe Google Plus

Sobre Roger Dance

É dançarino, coreógrafo e blogueiro. Autoditada e estudioso dessa arte, pretende dividir seu conhecimento, pesquisas e informações com todos os amantes do Mundo da Dança. Saiba mais sobre o Autor.