Dois solos e um duo no ‘Cartografia do Possível’ do Centro de Referência da Dança


O programa “Cartografia do Possível”, do Centro de Referência da Dança – CRDSP – traz, nesta primeira semana de novembro, dois solos na sexta (3/11) –“Melodia de um idioleto”, processo de criação de Maria Basulto, que investiga a vocalização do corpo, e “after sinuous curves”, da bailarina e coreógrafa Korina Kordova, que reflete sobre a experiência de um corpo em transição –, e no sábado (4/11), dois artistas – o brasileiro Pedro Penuela e o argentino Facundo Monasterio – apostam na potência própria da palavra musicada para dançar “Jukebox” ao som de canções associadas a histórias de amor, que despertam fragmentos de experiências e mobilizam sua ficcionalização.

Maria Basulto, bailarina do premiado “Devolve 2 horas da minha vida” (2016), de Alex Soares, abre a noite com o compartilhamento do processo de criação de “Melodia de um idioleto”, novo trabalho que Investiga um corpo regido pela vocalidade por ele produzida – a boca se sublinha e canta um poema fonético.

Em seguida, Korina Kordova entra com “after sinuous curves”, estudo sobre o (des)equilibrio e a vulnerabilidade em um corpo tomado por impulsos incompatíveis, numa estrutura coreográfica baseada em princípios de transformação e ruptura. Como uma escultura permeável em movimento, o corpo da performer, ao ser atravessado por energias em tempo real, vai transmutando e liberando imagens que se manifestam, mas nunca se cristalizam.

Como defende o antropólogo Claude Lévi-Strauss, em seu trabalho sobre a “eficácia simbólica”, o canto pode permitir a travessia de uma geografia afetiva do corpo, articulando a experiência pessoal a uma narrativa mítica. Em “Jukebox”, os bailarinos Pedro Penuela e Facundo Monasterio convocam o imaginário amoroso de canções que parecem ter o poder de re-materializar presenças por meio da palavra associada à música, para desdobrá-lo e fazê-lo circular.

A entrada para todas as apresentações é gratruita.

Sobre os artistas

Korina Kordova

Os trabalhos autorais de Korina Kordova (‘after sinuous curves’ (2016), ‘#abyss.foodpossession’ (2015), ‘#abyss.witchroulette’ (2013), ‘on 8th boulevard. right after sinuous curves’ (2013) e ‘Borderline’ (2010), entre outros) já foram apresentados na Polônia, Alemanha, República Checa e no Brasil, onde mora desde 2016, em eventos como o Tanztage 2013 (Berlim) e a Prague Quadrennial of Performance Design and Space (2015). Co-fundadora do ‘Center in Motion’ – associação de coreógrafos independentes em Varsóvia (Polônia), em 2012 criou o coletivo artístico Flesh System com o coreógrafo Przemek Kamiński. Como bailarina/ performer trabalhou com as companhias Silesian Dance Theatre (Polônia), Kokoro Dance (Canadá), BalletMet (Estados Unidos), Samovarteateret (Noruega), Dance Theatre Zawirowania (Polônia), Via negativa (Eslovênia) e Cia. Corpos Nômades (Brasil) e colaborou com os coreógrafos Isabelle Schad (Alemanha), Marta Ziółek e Ramona Nagabczyńska (Polônia), Farid Fairuz (Romênia), Kuik Swee Boon (Cingapura) e Idan Cohen (Israel), entre outros.

Maria Basulto

Em residência artística no Centro de Referência de Dança (CRDSP) desde 2015, Maria Basulto criou os solos “Dentro” e “Caixinha de Música ou Tentativa Contra a Ansiedade”, que investigam a relação entre voz e movimento. No momento, desenvolve, no mesmo espaço, estudos com a artista Aline Brasil e participa do programa Lugarização 2017, da Cia Corpos Nômades. Participou do trabalho “Eu quero ganhar flores”, apresentado no Dança no MIS 2017, e de “Acesso de Sacadas de Acesso de Sacadas”, contemplado pelo edital site-specific do CCSP (2015), ambos sob direção de Gabriel Tolgyesi. Integrou a Cia Corpos Nômades, sob direção de João Andreazzi (2012-2013). Em 2012 realizou o espetáculo solo “Murmúrios concretos em vielas de fuga”, orientado por Holly Cavrell na Unicamp, onde é licenciada em Artes.

Pedro Penuela

Artista e pesquisador da dança, Pedro Penuela é mestre em Psicologia (IP-USP) e doutorando em Artes Cênicas (ECA-USP). Realizou os trabalhos “Corpo-Ar” (2015), contemplado com Prêmio Funarte Artes na Rua 2014, iniciado dentro da Residência artística “Situ(Ações)”, do Núcleo Aqui Mesmo; “Televisão” e “Da memória ao corpo” (colaboração com Rosana Pellegrini e Ana Brandão), ambos para o Edital “Novos Coreógrafos, Novas Criações: Site Specific” (2013), do Centro Cultural São Paulo. Colaborou e participou do espetáculo “O sonho da raposa”, com direção de Emilie Sugai (2013), “MagneZe1” e “Jam-Performance”, do Núcleo Improvisação em Contato, dirigido por Ricardo Neves (2013), Jams da Cia Meu Corpo, Meu Brinquedo (2014), “Passeio dentro da paisagem”, com Coletivo Menos 1 Invisível (2013), e “Ruínas” (colaboração com Ana Brandão e Rosana Pellegrini, 2012). Atuou como artista-orientador no Programa Vocacional (2015 e 2016); artista-educador no Programa de Iniciação Artística – PIA (2014), ambos da Secretaria Municipal de Cultura, SP).

Facundo Monasterio

A dança, o teatro, o contato improvisação e a eutonia são algumas das disciplinas que atravessam as práticas corporais e buscas do professor, criador e performer argentino Facundo Monasterio. O artista, que estudou dança no Taller del T.G.S.M. e dá aulas na E.M.A.D, integra os grupos Caldo e Klan, onde se propõe à criação colaborativa de pesquisa em dança e performance para compartilhar circunstâncias de relação.

Crédito da foto: Divulgação

Serviço

Cartografia do Possível
Dias 03 e 04 de novembro de 2017
Local: Centro de Referência da Dança de São Paulo – CRDSP
Baixos do Viaduto do Chá, s/n – Repúblia – São Paulo/SP
(acesso pela Rua Formosa – próximo às estações República, São Bento e Anhangabaú do Metro).
Ingresso: Grátis
Informações: (11) 3214.3249 | 95301.3769

Programação

3/11 (sexta), 19h
“Melodia de um idioleto”, de Maria Basulto
Sala Ivonice Satie
Classificação indicativa: Livre
Duração: 15 minutos

3/11 (sexta), 19h15
“after sinuous curves”, com Korina Kocrdova
Sala Ivonice Satie
Classificação indicativa: 12 anos
Duração: 35 minutos

4/11 (sábado), 19h
“Jukebox”, com Pedro Penuela e Facundo Monasterio
Sala Ivonice Satie
Classificação indicativa: 14 anos
Duração: 40 minutos

Fonte: Agenda de Dança


Compartilhe Google Plus

Sobre Roger de Souza

É dançarino, coreógrafo e blogueiro. Autoditada e estudioso dessa arte, pretende dividir seu conhecimento, pesquisas e informações com todos os amantes do Mundo da Dança. Saiba mais sobre o Autor.