Como se profissionalizar e começar a dar aulas de dança?


Poucas coisas são mais estimulantes na vida do que ensinar aos outros algo pelo qual somos apaixonados. Alguns se dedicam à língua portuguesa ou à matemática, outros voltam como professores no curso superior onde estudaram, e ainda outros preferem seguir o caminho das artes e dar aulas de dança.

Ensinar dança, no entanto, não é apenas uma diversão. Demanda compromisso e muita seriedade, assim como o estudo de qualquer forma de arte.

Se você tem interesse em se aventurar no prazeroso caminho do ensino da dança, trazemos alguns fatores a considerar, para que tenha as melhores aulas possíveis e seja lembrada como aquela professora exemplar. Confira!

Estudos

Primeiro de tudo, você deve focar o estilo de dança que pretende ensinar. Considere aquele em que você tenha maior experiência e fluidez.

Danças mais clássicas, como o balé, demandam um tempo de preparação maior, certificações e testes. Outros estilos mais contemporâneos e acessíveis costumam ser menos exigentes, como, por exemplo, a zumba, na qual o profissional pode se inserir no mercado após fazer um curso de curta duração para formação de instrutores.

Em muitos casos, para acessar grupos e escolas de dança mais consolidados, é necessário um curso superior na área. Isso não é importante apenas para o currículo, mas também dá um forte background teórico quanto à origem e significado dos estilos de dança, bem como às questões físicas envolvidas, como a anatomia dos movimentos, além de importantes lições de didática.

Registro profissional

O registro profissional demandado para profissionais (artistas-dançarinos) de dança (DRT) não se aplica a professoras. Assim, caso queira concentrar sua carreira em dar aulas e não em se apresentar, existe essa possibilidade, através da licenciatura em Dança.

Atualmente não há regulamentação legal para a categoria de professoras de dança (Conselho Regional), portanto não é necessário o registro profissional junto a nenhum órgão público. Apesar disso, o caminho formalmente mais correto para a profissionalização como professor de dança é a formação em um curso superior. Ele gera um título importante, licenciatura, além de fornecer conhecimentos valiosos à profissional.

Assim, uma professora com uma formação superior em dança possui maior credibilidade diante do mercado e conhecimentos mais aprofundados. Contudo, na prática, essa formação não é um requisito legal para o exercício da profissão devido a ausência de um Conselho Regional que regulamente a profissão.

Boa professora X boa dançarina

Feita a qualificação e conseguido o registro, temos que falar sobre o ensino propriamente. Ensinar os alunos pelo exemplo é uma prática válida até certo ponto. Entretanto, dar aulas de dança demanda conhecimentos mais aprofundados do que apenas saber dançar.

Uma professora de dança deve ter tato para identificar as limitações de cada aluno e saber filtrar o conhecimento que é passado conforme o nível de desenvolvimento da turma. De nada adianta trazer passos avançados para uma turma iniciante sem que tenha havido uma evolução desde os primeiros fundamentos.

Assim, por mais que a professora saiba executar bem uma coreografia avançada, no momento da aula importa muito mais a capacidade de ensinar aos alunos os meios de chegarem nesse mesmo nível. Isso demanda humildade, compreensão e boas doses de diálogo.

Uma boa professora não deve necessariamente ser uma dançarina excepcional, mas deve ter um nível de conhecimento suficiente para formar dançarinos excepcionais.

Didática

Enfim, chegamos ao ponto que separa a boa professora da boa dançarina.

Além de conhecer detalhadamente os fundamentos e passos do estilo, é preciso que a professora tenha didática. Ter didática é ensinar pelo diálogo, é demonstrar segurança, inspirar os alunos, saber não apenas identificar o erro, mas o motivo pelo qual ele ocorreu e como pode ser contornado de acordo com as limitações que cada aluno demonstra.

Caso você tenha interesse em começar a dar aulas de dança ou já tenha começado, as dicas acima terão bastante valor. Lembre-se sempre de que a dança é uma forma de expressão e que, quando é desenvolvida em ambiente prazeroso, proporciona uma experiência muito mais confortável e natural para todos os envolvidos.

Fonte: Dance a Dois


Compartilhe Google Plus

Sobre Roger de Souza

É dançarino, coreógrafo e blogueiro. Autoditada e estudioso dessa arte, pretende dividir seu conhecimento, pesquisas e informações com todos os amantes do Mundo da Dança. Saiba mais sobre o Autor.