Dança ajuda a reduzir os efeitos da endometriose


A endometriose (crescimento do endométrio para fora do útero) é uma condição que afeta uma em cada 10 mulheres em idade fértil e tem como sintomas principais a dor pélvica crônica, a baixa autoestima, a infertilidade, a ansiedade e o estresse. Dados de uma pesquisa realizada pelo ginecologista Edvaldo Cavalcante, do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, em parceria com o Grupo de Apoio às Portadoras de Endometriose e Infertilidade (Gapendi), apontam que cerca de 90% das mulheres com o problema sentem dor ao menos uma vez por mês.

Mais da metade das três mil entrevistadas relatam estresse, ansiedade e 34% receberam diagnóstico de depressão. De acordo com o médico, por ser uma doença crônica, a endometriose exige que a mulher adote uma série de estratégias que possam contribuir para melhorar a qualidade de vida e que a ajudem a lidar de uma forma mais positiva com a condição.

Segundo a psicóloga Fátima Bortoletti, da UNIFESP, uma opção para reduzir os efeitos da doença é a prática de atividades físicas, com destaque para a dança.

“Dançar conecta o corpo, as emoções e o cérebro. Isso porque a dança envolve a música, que ativa uma série de conexões neurais. Essas, por sua vez, fazem conexão com a parte motora do corpo. Todo esse processo estimula a liberação de hormônios, como a dopamina e a ocitocina, que geram sensação de prazer e bem-estar”, explica a especialista.

A psicóloga esclarece que os hormônios liberados durante a dança são mais “potentes” do que os relacionados ao mecanismo da dor. “Como a dor é uma queixa muito prevalente nas mulheres com endometriose, dançar ajudar a aliviar este sintoma, além de contribuir para a redução da ansiedade e do estresse”, ressalta Fátima.

Para a profissional a dança de salão é uma boa opção por promover a interação social, mas o ideal é que a mulher procure o estilo de dança que mais combina com ela. “O que importa mesmo é dançar, seja na sala de casa, em uma casa noturna ou em uma academia”, diz.

Mas ela lembra que a dança é apenas um dos recursos que podem melhorar a qualidade de vida da mulher com o diagnóstico da endometriose. “A dança é excelente, mas é importante que a mulher também pratique paralelamente intervenções como a meditação terapêutica, entre outras”, comenta a psicóloga.

Fonte: Dança em Pauta

Compartilhe Google Plus

Sobre Roger de Souza

É dançarino, coreógrafo e blogueiro. Autoditada e estudioso dessa arte, pretende dividir seu conhecimento, pesquisas e informações com todos os amantes do Mundo da Dança. Saiba mais sobre o Autor.